domingo, 24 de novembro de 2019

NOTAS DA 2ª AVALIAÇÃO INT A TEORIA DAS ESTRUTURAS 2019.2

 Alunos que fizeram trabalho 
Manoel Cândido
Emily Gabriela
Júlio Barbosa
Matheus de Carvalho
José Oscar
Thiago Hilário
Carlos Eduardo
Marielle Santos
Igor Anderson
Thamires dos Santos
Matheus Martins
Josemário
Tiago Rocha
José Diego
Fabio Gabriel
Dalton Leonardo
Fabrício Henrique
Marcos Antônio

sexta-feira, 29 de junho de 2018

REAVALIAÇÃO DE INTRODUÇÃO A TEORIA DAS ESTRUTURAS - 4A

A reavaliação de Introdução a Teoria das Estruturas (2018-1) será composta de 4 questões, destas o aluno deverá responder apenas duas. 
1) uma questão de viga bi-apoiada;
2) Um pórtico simples;
3) Uma treliça
4) Uma treliça

A data da reavaliação será dia 05/07

domingo, 22 de março de 2015

terça-feira, 20 de maio de 2014

EXERCÍCIOS SOBRE CÁLCULO DE CARGAS HORIZONTAIS DEVIDO AO VENTO

EXERCÍCIOS COM FORÇAS HORIZONTAIS

Determine as forças horizontais resultante da ação do vento no prédio da seguinte situação:

Um prédio com as seguintes medidas:

Prédio de salas comerciais que está localizado em Maceió – AL, em área urbana e terreno plano, cercado de prédios com alturas semelhantes ou maiores que o seu. O vento será na face de menor área.


PASSOS A SEREM SEGUIDOS PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA.
•Determinar a velocidade básica do vento na localidade do prédio através do mapa de isopleta;
•Determinar os fatores S1 e S3;
•Dividir em trechos para calcular S2.
•Calcular a velocidade característica do vento de cada trecho através da fórmula Vk = Vo . S1 . S2 . S3;
•Calcular a pressão de obstrução de cada trecho através da fórmula q = 0,613.Vk²;
•Identificar a condição de vento para o prédio;
•Determinar o coeficiente de arrasto (Ca) através dos gráficos;
•Calcular a força de arrasto de cada trecho F = Ca . q . As
•As = Área da superfície atua.

Questão 02
Faça o cálculo agora para um prédio habitacional com sua localidade em Volta Redonda- RJ (urbana) em terreno plano com poucos obstáculos e isolados (árvores ou pequenas construções). O vento será na face de maior área. 
Dimensões: comprimento 25 m, largura 20m e altura de 50 m.

Resp. 


















segunda-feira, 5 de maio de 2014

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL EM ALVENARIA ESTRUTURAL

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL 
EM 
ALVENARIA ESTRUTURAL

1. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E AÇÕES

     Conceitos Básicos e Definições


Concepção Estrutural - “Determinar paredes estruturais ou não-estruturais para resistir a ações verticais e horizontais”.
Fatores condicionantes

1. Utilização da estrutura
2. Simetria
3. Outros

Sistema Estrutural - “Conjunto de elementos estruturais definidos durante a concepção da estrutura”.


2. ESTRUTURA DOS EDIFÍCIOS


FUNÇÕES:
1. “CANALIZAR” AS AÇÕES EXTERNAS PARA O TERRENO SOBRE O QUAL O EDIFÍCIO SE APOIA;
2. GARANTIR ESTABILIDADE E RIGIDEZ DE CADA PARTE E DO CONJUNTO DO EDIFÍCIO
3. GARANTIR QUE AS TENSÕES INTERNAS SEJAM ADEQUADAMENTE RESISTIDAS PELOS MATERIAIS CONSTITUINTES




3. COMO GARANTIR A ESTABILIDADE DO EDIFÍCIO?

NA ALVENARIA ESTRUTURAL ESTÁ LIGADO DIRETAMENTE A FORMA
PROJETO ARQUITETÔNICO

O PROJETO ARQUITETÔNICO DEVE BUSCAR A INTEGRAÇÃO ENTRE AS FORMAS ESTRUTURAIS E ARQUITETÔNICAS, INFLUENCIANDO PELOS ASPECTOS FÍSICOS DOS MATERIAIS, MÉTODOS CONSTRUTIVOS E PELA EXPRESSÃO ESTÉTICA, DE RESISTÊNCIA E ESTABILIDADE INERENTES A ESTAS FORMAS (MORFOTETÔNICA).


         ESTABILIDADE DE UMA ESTRUTURA EM ALVENARIA ESTRUTURAL
















     GARANTIR QUE EXISTAM CONDIÇÕES PARA QUE OS EDIFÍCIOS APRESENTEM REAÇÕES A TODAS AS SOLICITAÇÕES IMPOSTAS
CARGAS VERTICAIS " PESO PRÓPRIO; CARGAS     PERMANENTES, CARGAS ACIDENTAIS”

CARGAS HORIZONTAIS " ESFORÇOS DE    VENTO, EMPUXO DE TERRA E ÁGUA, ETC”.

4. CARGAS VERTICAIS


BASICAMENTE AS AÇÕES DE CARGAS VERTICAIS SE RESUMEM A: 
“Ações produzidas pela força de gravidade”

Cargas a serem consideradas dependem de:
•Tipo da edificação
• Utilização da edificação

Para edifícios residenciais
• Reações das lajes dos pavimentos
• Peso próprio das paredes





Cargas provenientes das lajes

Cargas permanentes
• Peso próprio
• Contra-piso
• Revestimento
• Paredes não-estruturais.

Cargas variáveis (Cargas acidentais)
• Sobrecarga de utilização


4.1 REAÇÕES DE LAJES ARMADAS

REAÇÕES EM UMA DIREÇÃO
0,5 L entre dois apoios do mesmo tipo
0,38 L do lado apoiado e 0,62 L do lado engastado
1,0 L do lado engastado, se a outra borda for livre




REAÇÕES EM DUAS DIREÇÕES
•45° entre dois apoios do mesmo tipo.
•60° a partir do lado engastado se o outro for apoiado.
•90° a partir de qualquer apoio se a borda vizinha for livre.




4.2 PESO PRÓPRIO DAS PAREDES


                    P = λ . L . h

P = peso da alvenaria por unidade de comprimento
λ = Peso específico da parede
L = largura da parede
h = altura da parede


5. CARGAS HORIZONTAIS


PARA EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS
AÇÕES DO VENTO   
DESAPRUMO
CISMO


         5.1. AÇÕES DO VENTO

           A)VELOCIDADE CARACTERÍSTICA VK= S1.S2.S3.V0
           
             V0 : velocidade básica (figura 1 da NBR 6123)


             É obtida através dos mapas isopletas vede um modelo de mapa isopletas

                    
               


             S1 : fator topográfico (item 5.2 da NBR 6123)
               

                θ ≤ 3° : S1 = 1,0
                6° ≤ θ ≤ 17° : S1(z) = 1 + ( 2,5 - z / d ) tg ( θ - 3° )
                θ ≥ 45° : S1 (z) = 1 + ( 2,5 - z / d ) 0,31
                onde
                z : altura do ponto a partir da superfície do terreno


         S2 : fator de rugosidade e regime (tabela 2 da NBR 6123)
              •Categoria do Terreno
                I : superfícies lisas de grandes dimensões (mais de 5 km na direção e sentido do vento incidente)
               II : terreno aberto, em nível, poucos obstáculos isolados (árvores ou pequenas construções)
              III : terrenos planos com obstáculos como muros, edificações baixas e esparsas
              IV : terreno com obstáculos numerosos em zonas florestal,industrial e urbanizada
               V : terreno com obstáculos numerosos e altos, como centro de grandes cidades
             •Classes de edificação
               A : edificações com maior dimensão menor que 20 m
               B : edificações com maior dimensão entre 20 e 50 m
               C : edificações com maior dimensão maior que 50 m


          S3 : fator estatístico (tabela 3 da NBR 6123)




              
     B) FORÇA DO VENTO

  Pressão de obstrução
           q = 0,613 Vk²,     onde:
           q : pressão de obstrução em N/m2
          V
k : velocidade característica em m/s
             
              Força de arrasto

              Fv = Ca q As  onde:
             Fv : força do vento (em cada pavimento)
             Ca : coeficiente de arrasto
               - vento não turbulento
               - vento de alta turbulência
             q : pressão de obstrução
            As : área da superfície na qual o vento atua 
             
              Coeficiente de arrasto - vento não turbulento



              Coeficiente de arrasto - vento alta turbulência

        Condições para consideração de vento turbulento
O regime do vento para uma edificação pode ser Considerado de alta turbulência quando sua altura não excede a duas vezes a altura média das edificações da vizinhança estendendo-se estas, na direção do vento incidente a uma distância mínima de : 

• 500 m para edificação até 40 m de altura

• 1000 m para edificação até 55 m de altura

• 2000 m para edificação até 70 m de altura

• 3000 m para edificação até 80 m de altura